quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

31 de DEZEMBRO...HÁ 7 ANOS FALECIA WALDIR CARVALHO


                                      
                                                  GENTE COM O NOME NA HISTÓRIA
        
      Waldir Carvalho, autor de "GENTE QUE É NOME DE RUA" partiu junto com o ano de 2007, mas deixou um rico acervo e textos que nuca chegou a publicar.
 Matéria da jornalista Patrícia Bueno no MAIS CULTURA/MONITOR CAMPISTA (03 de janeiro de 2008).
  (Extraio fragmentos)
     “Da quietude da varanda, ouve-se o canto das ondas lá no mar, o ambiente é de paz em nossa volta. Há um pouco de tristeza sem motivo a nos invadir o pensamento...”. O parágrafo, pinçado do texto ‘Lua cheia em São Tomé’, escrito em 3 de fevereiro de 1970 por Waldir Pinto de Carvalho, parece traduzir o momento atual, embora dessa vez a tristeza não seja algo “sem motivo”.
  Waldir que, entre outros títulos, era historiador, radialista, poeta, teatrólogo, acadêmico e primeiro radionovelista de Campos, faleceu no dia 31 de dezembro do ano passado, mas sua obra não chegou ao último capítulo.
  No primeiro dia de 2008, na varanda da  casa da família, na amada praia do Farol, a filha do escritor, Walnize Carvalho, abre, com os olhos cheios de lágrimas o baú com algumas preciosidades do pai e desenterra tesouros.
São recortes amarelados, anotações com esferográfica em pequenos pedaços de papel, alguns extraídos de agendas, "historinhas para as bisnetas", diálogos, personagens, dedicatórias, frases escritas a lápis, enfim, ideias, muitas ideias. Tudo cuidadosamente catalogado.
(...)
  Os recortes aos quais o MONITOR teve acesso, atestam que, mesmo com a saúde debilitada, ele era uma usina de idéias. E ai da memória se o traísse...
  E arremata a jornalista: “Em seu último livro, a última frase: “...E, como somos todos uma obra inacabada, quem sabe ainda registrarei oportunamente mais memórias...”.
  Waldir Carvalho vai deixar saudades e, merecidamente, virar nome de Rua”.

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

MANSIDÃO DE PÁSSAROS

Mansidão de pássaros
                        Waldir Carvalho
Manhã
Canto de pássaros lá fora.
Canto feliz!

Como naquelas manhãs:
Nada muda,
Tudo fala,
A mesma coisa,
No mesmo tom de alegria,
E a felicidade, por bondade ,
Está presente.

Que bom morrer como  um passarinho !
Na pausa de uma cantoria,
No auge de uma louvação de amor!

A humana criatura é tão rica
E tão pobre:
Tem tudo para fazer tudo,
Sem ser tudo,
Não vai além do quase nada,
Nesse nada que é tudo,

Busca lá fora,
O sorriso, a canção, a ternura ,
O amor, a paz, a igualdade,
Busca, enfim ,
A felicidade .

Não vê cá dentro ,
No que tem de profundo ,
A própria essência do mundo ;
Não sente
nos reais poderes seus ,
A presença feliz ,
E redentora  de Deus!

Os pássaros não mudam.
Só o homem quer mais
Anseia e se perde na sua ambição; 
Tantas são as graças que recebe
Poucas são as oferendas que faz

Cansado do planeta,
Que viver noutros  planos,
Nas alturas;
Não eleva o pensamento:
Faz-se aeronauta, astronauta ,
Faz-se cosmonauta,
Faz  loucuras!

Os passarinhos,
Ricos de alegria, de paz, de amor,
De ternura, vive no igual;
Não inventam,
Não lamentam,
Brincam de pique no espaço sideral.

Pela ausência do mal,
Pela presença do bem,
Vale muito a pena,cantar também.

OBS.: Como responsável pelo Blog  escolhi este poema escrito por Waldir Cavalho como reflexão  para o NATAL que se aproxima.
Walnize Carvalho

  

sábado, 20 de dezembro de 2014

O AUTOR E SUAS CITAÇÕES

                           
                     Algumas  extraídas do livro:"Se Não Me Trai A Memória" (2003)
                                                         (Waldir Carvalho)

 "O livro é o mestre que corrige sem nos constranger".

"O saber é como o Amor: uma riqueza que não faz pobre quem o transmite".

"Prefiro ser amado a ser respeitado".

"Atribuo o fechamento das usinas campistas o fato de não terem deixado seguidores e ,sim herdeiros".

" Dois fatores movem muitos na direção do Poder: o atrevimento e a alta cota de vaidade".

" Na Academia ,os temas preferidos   são: o falso elogio e a crítica impiedosa".

"Há religiosos que pregam e vivem uma piedade teatral"

"Sou bom bom: Tenho bom senso e bom gosto."

"Não acho graça chamar uma  donzela de "chuchu".É muito aguado"Como não acho a expressão "-Que abacaxi" coisa ruim,pois é uma fruta doce"...


quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

A ERA DOS BONDES(1943)



Do livro: "CAMPOS DEPOIS DO CENTENÁRIO" - Vol. 1
(Waldir Carvalho)

BONDE DO MATADOURO



   No dia 14 de maio de 1943, por pouco não há uma tragédia nesta cidade. Um bonde repleto de passageiros, procedente de do bairro Matadouro, descarrilou na Beira-Rio e só não se precipitou no Paraíba porque encontrou como forte obstáculo, uma árvore de tronco forte.

domingo, 14 de dezembro de 2014

NATAL DE 1965

Do livro: “CAMPOS DEPOIS DO CENTENÁRIO” – Volume II
(Waldir Carvalho )
          

PREFEITURA SORTEOU CARRO

   "22 de dezembro de 1965. A Prefeitura lutava por receber o máximo dos impostos.
   Com o apoio do Prefeito e do Secretário instituiu através do Departamento de Pavimentação e Conserva, perante os contribuintes que pagavam em dia seus débitos o sorteio de um carro zero quilômetro.


   Com os cupons entregues no ato da quitação  o sorteio foi feito na data acima citada."

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

EVA EM CAMPOS (1947)

                                             
                                                     
                                                      EVA EM CAMPOS (1947)
                       Do livro:  “CAMPOS DEPOIS DO CENTENÁRIO” –volume I
                                                       (Waldir Carvalho)

       Na noite de 27 de dezembro de 1947 faziam estréia no Teatro Trianon, EVA E SEUS ARTISTAS.
     Tratava-se da atriz Eva Tudor com a comédia em três atos de Bernard Shaw  : “ CÂNDIDA”.
     Os atores que faziam parte do espetáculo teatral:André Villon, Elza Gomes,Armando Braga, Afonso Stuart e Artur Costa Filho.

     O sucesso da temporada foi absoluto.

sábado, 6 de dezembro de 2014

BANCO DAS CISMAS(1957)

                                          (Primeiro programa radiofonizado na Rádio Cultura de Campos da série: "Banco das Cismas" )
                                                                         Waldir Carvalho


                                                       BANCO DAS CISMAS
                Encontro na biblioteca deixada por Waldir Carvalho  uma raridade;   “ O Ciclo Áureo”(História do 1º Centenário  da Cidade de Campos -1835-1935) do historiador Horácio de Sousa.
            Creio que baseado na descrição  do historiador em que se lê: “(...) na margem do Parahiba entre a esquina da R. Direita e a Praça havia dois sobrados.Eram resquícios de edificações e existia uma boa saliência em concreto formavam um banco :uma amurada onde os nossos bardos,jovens  e rapazes estudantes e cultores das lettras costumavam ali se reunir para cavaquearem acerca de litteraturas e que os mesmos baptizaram com BANCO DAS CISMAS.

       E mais... Afirma-se que nele : “AZEVEDO CRUZ sentiu a Lyra de sua alma tanger com suavidades as notas emotivas da sublime AMANTIA VERBA”.Sendo assim - reafirmo-  serviu de inspiração para  Waldir Carvalho criasse  no Rádio( a partir de 09/01/1957) o programa :O “Banco das Cismas”(gênero:músico literário) onde atores  desempenhavam o papel de :Manoel Moll,Azevedo Cruz,Theophilo Guimarães,Múcio da Paixão,José do Patrocínio entre outros...

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

O HUMORISMO DE SILVIO FONTOURA

                                         Do livro:"Crônicas de minha terra"
                                                   (Waldir Carvalho)

domingo, 30 de novembro de 2014

Waldir e as trovas

Waldir Carvalho dizia que não fazia sonetos e sim só netos, mas no seu livro "Se não me trai a memória"lá estão impressos:sonetos,poemas e trovas que ele fez e dedicou à esposa,às filhas, aos netos e bisnetos... 
Aqui no blog podem ser lidas na postagem :"Domingo é dia da família"

O Bisavô saudando a chegada de mais uma bisnetas assim escreveu:

Para Valentina:

Valentina é um bem colhido

com amor e com ternura

E este Matusalém lhe deseja

Vida plena de Ventura
(28/11/2005)

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

HOSPITAL PLANTADORES DE CANA(1963)

                              Do livro: “CAMPOS DEPOIS DO CENTENÁRIO” – volume II

                                                                   (Waldir Carvalho)

domingo, 23 de novembro de 2014

ORFEÃO SANTA CECÍLIA(1941)


Orfeão de Santa Cecília

Do livro: "Campos depois do Centenário" -Vol. 1
(Waldir Carvalho)

    "O Orfeão de Santa Cecília, conjunto orfeônico que veio enriquecer o setor da Cultura Musical de Campos, foi fundado no dia 22 de novembro de 1941, dia consagrado à padroeira da Música, Santa Cecília.

Orfeão de Santa Cecília

     Seu idealizador e fundador foi o erudito Professor Newton Perissé Duarte.
     Foi diretor da entidade até 1964.
    Nos valendo do brilhante texto de Vicente Rangel, informamos que, foram atraídos vários intelectuais, escritores e artistas de Campos.
    O primeiro Concerto foi realizado no Trianon, em 19 de agosto de 1949,  por ocasião da apresentação do consagrado pianista polonês Miécio Horszowski.
     Ao longo dos anos inúmeros artistas de projeção nacional e internacional se apresentaram.
   Com o falecimento do seu fundador e regente (1965) assumiu a direção musical a Professora Vânia Ventura Barreto.
     O Orfeão Santa Cecília é considerado um dos maiores patrimônios artístico-musicais de nossa terra..."

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

IGREJA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO(1944)

Do:camposturismo.com.br

                                          Publicado no jornal: "A Notícia"(1997)

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

ALBERTO LAMEGO

Alberto Lamego

 Fragmentos de sua Vida e Obra  extraidos do livro:
“GENTE QUE É NOME DE RUA” - Vol. 2
(Waldir Carvalho)

   “Alberto Frederico de Morais Lamego foi um fluminense dos mais ilustres.
   Nasceu no município de  Itaboraí,  no dia 09 de outubro de 1870.
   Formou-se em Direito, na Faculdade de Recife, já que eram poucas as escolas superiores no Brasil.
   Em 1906, viajou com sua família para a Europa. Uma vez, em terras europeias realizou pesquisas (Lisboa, Bruxelas, Londres e Paris), cidades que residiu enquanto foi necessário examinar documentos, tocar relíquias e conhecer pessoas ilustres.
   Durante anos, que passou fora do Brasil, especializou-se em História.
   De volta ao Brasil,  em 1920, além de suas obras escritas trouxe na bagagem, documentos valiosos e uma bela pinacoteca, esta ficou por muito tempo na Fazenda Ayrizes, sendo mais tarde cedida ao “Museu Antonio Parreira” de  Niterói.
   Dentre suas obras destaque para "TERRA GOITACÁ" (coleção de oito livros) de inestimável valor.
 Alberto Lamego, que vivendo em Campos foi proprietário da Fazenda Ayrizes, fazenda esta que com o seu solar serviu de cenário ao romance-ficção: A ESCRAVA ISAURA de Bernardo Guimarães.
  O grande historiador Alberto Lamego também se destacou no terreno filantrópico, um exemplo está na doação do antigo prédio (nºs 13 e 150 da Rua Marechal Floriano, para instalar a sede do ASILO DO CARMO.
   Ele, que tanto se preocupou com a nossa terra, é hoje com muita justiça, um nome de rua de nossa cidade de Campos.
Veio a falecer  em 24/11/ 1951  aos 81 anos." 

AVENIDA ALBERTO LAMEGO:
Início - Av. Presidente Kennedy (atual Av. Arthur Cardoso Filho)
Término - Av. Dr. Felipe Uébe.

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

PREFEITO JOSÉ ALVES DE AZEVEDO/AEROPORTO BARTHOLOMEU LIZANDRO


 Nota do blog.: Como se lê no início da postagem,o autor-Waldir Carvalho -  tinha projeto de continuar a obra "Campos Depois do Centenário",mas por problemas de saúde concluiu o trabalho minucioso de pesquisas,no volume III . 

sábado, 8 de novembro de 2014

PRATA TAVARES


                    Crônica escrita e publicada por Waldir Cavalho quando do falecimento do Poeta e Amigo PRATA TAVARES. 

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

LIRA GUARANI

                                                                Waldir Carvalho
                                            (Publicado no jornal "A Cidade" em 1997)

sábado, 1 de novembro de 2014

TEATRO FLORIANO(1946)

                              Do livro:  “CAMPOS DEPOIS DO CENTENÁRIO” –volume I

                                                          (Waldir Carvalho)

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

RUA DO CONSELHO

                                             DO livro:"Rua Que Não É Nome De Gente"
                                                               (Waldir Carvalho)

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

NOVO ASPECTO PARA A VIA PÚBLICA (1945)

                                   Do livro:"Campos Depois do Centenário"- volume I
                                                   (Waldir Carvalho)

Boulevard Francisco de Paula Carneiro
Centro Antigo
Campos dos Goytacazes - RJ

DO:"http://camposfotos.blogspot.com.br/

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

RUA QUE NÃO É NOME DE GENTE:RUA DA QUITANDA

                                                Do livro:"Rua Que Não É Nome de Gente"
                                                                ( Waldir Carvalho)

sábado, 18 de outubro de 2014

O RÁDIO EM CAMPOS(1944)

                                          Do livro:"Campos Depois do Centenário"-volume I
                                                               (Waldir Carvalho)

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

NO DIA DO PROFESSOR:O COLÈGIO

                                                   Do livro:"SE Não Me Trai A Memória"
                                                                 (Waldir Carvalho)

    E segue o autor em suas lembranças: "José Prisco,"Seu" Zezé  (como era chamado) montou uma escola de ensino particular e fez-se condutor dos muitos alunos, que sobraram da Escola Pública.
   O seu colégio chegou a ter de 90 a 100 alunos - meninos e meninas - inclusive alguns de barba na face...
    No meu primeiro dia de aula fui entregue na porta e como acontecia a todo aluno na primeira aula, ocupei  um tamborete ao lado do professor.
    Com o passar dos anos aprendi a ler,escrever e fazer as três operações,já que dividir,dividia apenas números menores...
    Concluí o primário com Dona Etelvina Rocha, que muito criativa produziu um teatrinho no colégio e me escalou para fazer um personagem na peça"Juiz de Paz da Roça",de Martins Pena.Ela me achava com jeito de escrivão.
     Essa participação influiu no meu gosto pelo teatro..."

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

FOTOS E FATOS

Alguns dos momentos memoráveis na vida do escritor , poeta, acadêmico e historiador Waldir Carvalho
Waldir Carvalho no Café Literário(Palácio da Cultura) recebendo das mãos do Poeta Antonio Roberto Fernandes) placa alusiva aos 80 anos do escritor e do lançamento do livro:"Se não me trai a memória". 
 Waldir Carvalho na Academia Campista de Letras na transmissão do cargo de presidente daquela instituição ao Dr.Raul Linhares.
Waldir Carvalho na Livraria Noblesse (Treze de maio)em um dos lançamentos de seus livros,na companhia da esposa Zeni e os seis netos. 

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

RUA QUE NÃO É NOME DE GENTE:RUA DO GÁS



(esquina da Rua Ipiranga com Rua do Gás)
(Foto:www.fmanha.com)

Do livro:RUA QUE NÃO É NOME DE GENTE
(Waldir Carvalho)
(1993)

terça-feira, 30 de setembro de 2014

O CINQUENTENÁRIO DA ESCOLA TÉCNICA DE CAMPOS(1959)



                               Do livro: “CAMPOS DEPOIS DO CENTENÁRIO” – volume II

                                                       (Waldir Carvalho)

Conta o autor que:"Em 1942 o educandário chamava-se ESCOLA INDUSTRIAL DE CAMPOS; em 1945, ESCOLA TÉCNICA DE CAMPOS e em 1965, ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE CAMPOS."


sexta-feira, 26 de setembro de 2014

DIA DO RÁDIO

   O dia do Rádio( lembrado em 25 de setembro) faz rememorar alguns radialistas,cantores e atores que dividiram com Waldir Carvalho o tempo áureo desse meio de comunicação:
                                                                    O autor                      
           


                                Do livro: "Campos depois do Centenário" - volume II

                                                               (Waldir Carvalho)

                                                      O CRIADOR E AS CRIATURAS

         No referido livro às páginas:39, 40, 41, 42 e 43 o autor relata seus passos importantes  na carreira profissional de RADIALISTA.  
         Agradece e apresenta "os rádio atores, locutores, cantores, sonoplastas que viveram ao microfone da RÁDIO CULTURA DE CAMPOS os muitos personagens de suas  criações em novelas, rádio-teatro, sketcs humorísticas, novelas históricas...

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

PADRE NOSSO ONLINE

       Disponibilizada pela família parte da obra literária do escritor Waldir Carvalho para a biblioteca virtual da Câmara de Vereadores de Campos dos Goytacazes , vale registrar que O livro " Padre Nosso" (vida e obra do Padre Rosário)já pode ser lido no site:
http://bibliotecavirtual.camaracampos.rj.gov.br/


PADRE  NOSSO

   Livro editado em 1998, no qual o escritor Waldir Carvalho traça o perfil biográfico de PADRE ROSÁRIO.

   Diz o autor, na introdução: Trata-se de um Tributo a um ser extraordinário,  portador de múltiplas missões e de desenvolvida inteligência.
   Além de  obreiro convicto do Bem,sua revelação de homem abençoado está contida nas suas palavras - faladas e escritas - e, muito mais na ação invejável, que tem , com maestria sabido pôr em prática.
   Em se tratando de um sábio pedagogo, um talentoso homem de letras, um inspirado compositor e, acima de tudo, um amado sacerdote, cujo “Rosário”, quis Deus fizesse parte do seu nome resolvi separar os relatos do presente livro, não em capítulos e sim em “contas”. Contas de um rosário ( em número de 20) onde sobressaem:

- Nascimento, filiação, colégio
- O seminário
- A primeira missa solene
- A fundação do Colégio Eucarístico
- A contribuição no legislativo
- A igreja do Saco
- Instituto Santa Teresinha
- Os livros publicados

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

CONCURSO de MISSES : participação de campistas(1938 e 1939)

               

                                                  na foto:misses Neyde, Cleyde e Vânia.
                                         
                                     Do livro: “Campos depois do Centenário” volume I
                                                             (Waldir Carvalho)
   
           “Em concurso realizado nos salões do Automóvel Clube Fluminense ( Campos) para eleger “A MAIS BELA JOVEM CAMPISTA” (Miss Campos) obteve o 1º lugar  a senhorita NEYDE MUYLAERT TINOCO( fins de 1938).
                                                        
                                                         *    *   *  
Já no dia 29 de janeiro de 1939,tendo palco  o CASINO DA URCA (Rio) houve o concurso: “ A MAIS BELA  JOVEM DO BRASIL”(Miss Brasil) onde sagrou-se vencedora outra campista, VÂNIA PINTO.


terça-feira, 16 de setembro de 2014

INSTALAÇÃO DO SENAI EM CAMPOS(1947)

                                          Do livro:"Campos depois do Centenário" -volume I
                                                               (Waldir Carvalho)



sexta-feira, 12 de setembro de 2014

RUA MANOEL MOLL


Do livro:"Gente que é Nome de Rua"- volume I
(Waldir Carvalho)

"Manoel Pedro Moll, nasceu em Campos no dia 14 de setembro de 1868.
Dividiu as horas de sua vida,com duas manifestações de que sua alma já surgira impregnada:o Magistério e a Poesia.
Teve suas criações literárias em páginas da revista AURORA bem como em jornais locais,de Niterói  e Rio de Janeiro,como:A GAZETA DO POVO;  A REPÚBLICA;O MONITOR; A REAÇÃO
Abaixo um dos seus primeiros sonetos:

(Sua vasta e emocionante biografia consta do referido livro às páginas:171,172,173 e 174) 

   Rua MANOEL MOLL:Início: Rua RIACHUELO
                                      Término:Rua Miguel Herédia

terça-feira, 9 de setembro de 2014

O PRIMEIRO LIVRO PUBLICADO: ”GENTE QUE É NOME DE RUA”


                             Waldir Carvalho e a alegria de caminhar pelas ruas de sua cidade)
                                                            (Foto:Gerson Gomes)

       Narra o autor no livro “Se não me trai a memória”(2003):
   “Quando pensei publicar o meu primeiro trabalho em forma de livro veio a ideia de  mencionar a figura de Nhanhá - uma contadora de histórias que despertou em mim o gosto pela escrita.
     Nhanhá era uma criatura simples, analfabeta, pitava cigarro de palha e em noites de luar, quando estávamos no terreiro de casa descascando milho em mutirão com os vizinhos, ela vinha nos ajudar e contar histórias.
     Com seu linguajar fora da gramática, ela contava com riqueza de detalhes e natural suspense histórias de príncipes, como ninguém. Sabia os “Contos da Carochinha” de cor, embora - como disse - não soubesse ler.
     Foi ela quem primeiro cantou e dançou para nós(tocando castanholas com os dedos) a célebre “Mana Chica do Caboio”
    Assim... soube tornar embevecido esse menino, que viveu o bastante, para pôr no papel o que viu e ouviu encantado...   
    Se assim não aconteceu (ser  a  narrativa que fiz acima, parte do meu primeiro livro) foi porque achei que ao  narrar um pouco da História de Campos dos Goitacazes, estaria abrindo o caminho para a ficção – filha que é da realidade.
     Mesmo assim, estou certo em reafirmar que ela com seus contos, seus cantos e suas danças foi quem me fez despertar para as letras.
    Visto isto, conto aqui a minha introdução como escritor com o “Gente que é nome de Rua”: depois de uma trajetória de produtor de novelas,programas humorísticos,rádio teatro,etc... pelas Rádios Cultura de Campos e Jornal Fluminense passei a produzir(a partir de 1978) um trabalho semanal,na “Campos Difusora”,intitulado :”Nossa Terra/Nossa Gente”. Nele, criei uma subseção chamada “Gente que é nome de Rua”.
Então, me ocorreu a ideia sobre o livro.Escreveria com esse título,um trabalho para-didático,visando ir ao encontro de estudantes e estudiosos  da história de Campos.

Lançado o primeiro volume em 1986, veio o segundo volume(1988) e o terceiro em 2001.”

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

O BLOG COMPLETA UM ANO


Neste  04 de setembro, 1º ANIVERSÁRIO do Blog Historiando com Waldir 

 Walnize Carvalho(*)

     Há um ano atrás, pensando em quanto meu pai - Waldir Carvalho - ( se vivo fosse) iria se entusiasmar com a inserção de sua obra literária no “admirável mundo novo” - o mundo virtual - idealizei o blog ,  para que seus fiéis leitores (dos livros publicados) e os que por aqui navegam pudessem se reencontrar e (ou) conhecer um amante fiel  de “Nossa Terra, nossa Gente” .
     Busquei parceria no amigo João Pimentel, que configurou o mesmo e teve participação efetiva no Projeto (já tornado realidade!) o quanto seu tempo o disponibilizou para isso.
    Nesta data aniversária agradeço a acolhida de muitos (não dá para citar os nomes), pois já está na casa dos 25.000 visitantes.
   Agradeço o incentivo através dos comentários feitos aqui; nos outros blogs ; na matéria de “O Diário”(23/10/2013); as mensagens de visitantes parentes e amigos, que demonstraram alegria pela lembrança das citações de figuras importantes, ligadas ao seu seio familiar; aos que (uma vez que  leram no Face book as reproduções das postagens daqui) curtiram,comentaram e compartilharam; aos que fizeram referências as publicações daqui(citando os devidos créditos); aos familiares,leitores e amigos do escritor e a minha FAMÍLIA que me estimula dia a dia para  que continue divulgando a obra desse autor campista.

(*) Escritora, blogueira e filha .  

terça-feira, 26 de agosto de 2014

CAMPOS DOS BOITATÁS(2004)

                                                             (carros de boi da Boa Vista)
                                                                Waldir Carvalho
"Campista,nascido na Baixada,onde a ondulação dos extensos canaviais forma um tapete de esperança e as chaminés das usinas representam marcos de um progresso que reflete todo o denodo de um povo sempre voltado para o trabalho".
(Fragmento da introdução do livreto)

Explicação ao leitor do blog: O autor tinha por hábito,durante o período de veraneio na praia do Farol de São Tomé transcrever para livretos artesanais, alguns de seus textos produzidos na época do rádio e distribuir entre parentes e amigos nas tardes daquele aprazível balneário.
Eis ,então, a amostra da primeira página de uma de suas criações literárias ,desta feita impressa no ano de 2004.

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

RIO PARAÍBA

Do Livro : "Só,na Multidão"
- Waldir Carvalho
(coletânea de crônicas publicadas em jornais locais década de 70/80)


terça-feira, 19 de agosto de 2014

GETÚLIO VARGAS EM CAMPOS(1950)

                            Do livro:  “CAMPOS DEPOIS DO CENTENÁRIO” –volume I

                                                           (Waldir Carvalho)


sexta-feira, 15 de agosto de 2014

O INTEGRALISMO EM CAMPOS (1937)

Do Livro:"Campos depois do Centenário" -volume I
(Waldir Carvalho)

                                                                (Clicar para ampliar)

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Replicando a postagem...

                           
                           CENTENÁRIO DE NASCIMENTO DE FERREIRA MACHADO (1967)
Do livro: “Campos depois do Centenário” (volume III)
                                                                      (Waldir Carvalho)
    
  “ 16 de abril de  1967.
       A cidade de Campos comemorava o Centenário de nascimento de FERREIRA MACHADO ou melhor, Manoel Ferreira Machado,que tendo nascido no vizinho município de São João da Barra foi  um cidadão marcou o coração dos campistas por suas ações beneméritas.
       Em Campos, inicialmente, fundou a importante firma FERREIRA MACHADO & CIA. LTDA. cuja fama logo se espalhou nos meios financeiros do Estado e do País.
    Com seu tino  administrativo e humanitário contribuiu ao máximo com a Santa Casa de Misericórdia de Campos,da qual foi provedor e benemérito.Em seu testamento deixou a quarta parte de sua imensa fortuna para a Casa de Caridade de São João da Barra como também para a Santa Casa de Campos.

O HOSPITAL FERREIRA MACHADO, erguido no lugar onde existiu o Hospital dos Tuberculosos ou “ Isolamento”(no bairro do Caju) foi inaugurado a 29 de janeiro de 1951 e em merecida homenagem leva o nome daquele que soube legar um especial exemplo às gerações futuras.”

Postado em 16/04/2014 por Walnize Carvalho